Projeto 2 - Grupo 4C: Artur Rizzo, Felipe França, Gabriel Goichman, Gabriel Patrocínio, Lucas Borges

Parte 1 -

Introdução

Para o segundo Projeto de Co-Design, foi proposto a nós, alunos, dois cenários: Trabalhar com o tema Saude ou o tema Social. Para definir qual tema cada aluno escolheria, para depois escolher o grupo, duas palestras foram realizadas, afim de introduzirmos a nós, o contexto aonde seria imerso nosso aplicativo. Esse grupo acabou por escolher trabalhar com o tema Saude e como foi introduzido pelo Dr.Bento Fortunado, o ambiente em que trabalharíamos é o do Hospital Israelita Albert Einstein . Assim, seguindo a mesma linha do Projeto 1, documentaremos nosso processo nessa pagina da Wiki, porem agora em um ambiente externo ao Insper.

Primeira Visita

Tendo o grupo refletido e definido o tema, nosso primeiro passo foi fazer uma vista ao Hospital, conduzida pelo Dr.Bento novamente.

Relato da Visita:

"

Nossa Primeira Visita ao Hospital Albert Einstein

Introdução às possibilidades médicas e conhecer os médicos Diretores do Curso de Medicina.

Ao chegarmos fomos muito bem recebidos pelo Dr. Bento Fortunato na entrada D da maternidade.
Então o Dr. Bento nos deu um ‘briefing’ junto aos seus colegas Dr. Júlio e Dr. Alexandre.
Basicamente nos contaram da experiência de fazer um curso de medicina inovador como a proposta do Insper em engenharia.
Fomos apresentados infitas possibilidades da atuação da engenharia na medicina ainda mais quando mais dois médicos chegaram para dar seus pareceres.
O legal é que eles demonstraram o interesse em extender as atividades do Insper com o Einstein para além da matéria de co-design.

Inicialmente, estávamos muito interessados em desenvolver um app voltado para a área de banco de sangue.
A médica que falou conosco sobre o assunto forneceu bastante detalhamento sobre o assunto e foi muito legal saber como que se dá toda a burocracia com a parte científica.
Contudo, decidimos mudar para o tema de fluxo do paciente no hospital e como se dá essa burocracia de forma eficiente para garantir ao paciente além de seu atendimento, a segurança e o conforto.
Mudamos porque queríamos pensar em algo que ainda não tivesse sido apresentado no ‘briefing’ e percebemos que o acesso ao atendimento no hospital era bem protocolado.

"

Referencias de Aplicativos

As referências de aplicativos na área de medicina são:

O Aga emergência é um aplicativo para android que permite ao usuário buscar hospitais com atendimento urgente em todo o Brasil, encontrando opções dos hospitais mais próximos, além de ser possível avaliar tudo sobre o atendimento oferecido.

Já o Epocrates, maior referência de aplicativo na área de medicina (com mais de 1 milhão de downloads), é um aplicativo voltado aos médicos, que oferece informações sobre medicamentos, oportunidade de se comunicar com outros médicos via chat, além de outras aplicações mais técnicas, como a potencial interação entre remédios.

Enquanto isso, o Hospital+, assim como o Aga emergência, também lista locais (mais de 280 mil) de acordo com a distância de onde você está, além de ter uma grande base de dados de profissionais (mais de 1,5 milhão), navegação por especialidades, agenda embutida, comentários/avaliações sobre estabelecimentos, entre outros, porém só possui versões para Apple Store .

Podemos considerar esses aplicativos como referência para o nosso aplicativo, pois enquanto o Aga emergência e o Hospital+ são aplicativos que oferecem alternativas interessantes para facilitar a chegada do paciente no hospital, o Epocrates é a referência de sucesso na área de medicina e por isso não podemos deixa-lo de lado.

Em relação ao design desse apps, consideramos o Aga emergência e o Epocrates muito simples e intuitivo, enquanto o Hospital+ é mais poluído, mas ainda sim , muito intuitivo.

Estrategias

Após a primeira visita ao hospital o grupo se reuniu para pensar no aplicativo que iria desenvolver, para isso usamos as informações coletadas na primeira visita à campo e experiências que os integrantes do grupo já viveram nos hospitais. A partir disso, construímos um Flow Model desde o momento em que o paciente entra no hospital até quando ele é liberado, passando por todos os processos que nós observamos e lembramos na visita inicial.

O resultado do Flow Model nos ajudou a definir o que seria nosso aplicativo. Percebemos que o paciente fica a maior parte do tempo na sala de espera, aguardando ser atendido pelo médico ou para fazer um exame. Com isso, o grupo pensou em um aplicativo para solucionar este problema:

O que: Um aplicativo que visa melhorar a experiência do usuário no hospital, ou seja, tornar mais agradável os momentos de espera.

Como fazer isso: Possibilitando o paciente sair das salas de espera sem se preocupar em ser chamado e não está lá.

Que ferramentas usar: Os pacientes poderiam, por exemplo, através de um QR Code* (ainda a definir) escanear a senha retirada assim que entrar no hospital, a partir disso, o aplicativo poderia mostrar ao paciente quantas pessoas têm na frente dele e quanto tempo em média ele ficará esperando até ser atendido, além de poder também, somente para completar o exercício de convergência, emitir um alerta quando paciente for o próximo da fila indicando que o ele deve se dirigir à sala de espera. Desta forma o paciente não precisa ficar todo o tempo na sala de espera.

Tendo feito esse exercício de convergência de ideias ( com o objetivo apenas para discutirmos com que tópico gostaríamos de trabalhar) , o grupo percebeu que seria necessário encontrar a pessoa responsável pela EXPERIENCIA DO PACIENTE no hospital, além de todos os procedimentos realizados desde que este entra no hospital com todas as possibilidades de caminhos existentes, para isso conversamos com o Dr. Luiz Rizzo, para que ele pudesse nos conectar com esta pessoa. Feito isso marcamos uma data para encontrar a Cláudia Laselva –Diretora responsável por todo fluxo de pacientes- no dia 06/11, para que pudéssemos fazer todas as perguntas necessárias e extrairmos todas as informações necessárias dela.

Para aproveitarmos o máximo desta entrevista criamos estratégias para extrairmos informações principais que queríamos da diretora, assim como dos próprios pacientes, e criamos perguntas em cima disso. Além disso pensamos em utilizar a técnica de Shadowing para analisarmos o comportamento enquanto esperam ser atendidos e também sermos o paciente, para termos uma experiência de como é esperar tanto tempo.

Estrategias.jpg

Legenda: Elaboração da Estrategia/Flow Model/Cronograma/Referencias

Parte 2 -

Segunda Visita

O grupo se reuniu neste dia para o encontro com a diretora Cláudia, entretanto ela teve um imprevisto e não conseguimos encontrá-la neste dia, entretanto, para não perdermos a viagem resolvemos ficar no hospital para começarmos a observar alguns procedimentos e conhecer um pouco mais sobre o fluxo de pacientes. Infelizmente não foi permitido que tirássemos fotos dos pacientes nas filas de espera, mas nós notamos que haviam muitas pessoas nestes locais.

Após ficarmos um tempo observando estes locais, fomos conhecer outras áreas do hospital apresentadas pelo Dr. Luiz Rizzo.

Terceira Visita

Após a segunda visita, conseguimos marcar uma nova data para conversarmos com a diretora responsável pelo fluxo de pessoas. Esta visita teve o intuito de:

- Aprofundar nosso conhecimento sobre como funciona o fluxo de pacientes no hospital Albert Einstein.
- Coletar informações sobre as necessidades do hospital
- Visitar a área de interesse
- Falar com os especialistas
—>Indicadores de qualidade
—>Principais reclamações
—>Procedimentos
—>Pontos chaves do aplicativo
—>Como melhorar a experiência do usuário?
—>Onde entra nosso app?

Ao chegarmos no hospital, tivemos a surpresa de saber que nossa reunião também teria participação de todos os responsáveis pelo fluxo de pessoas, não só da diretora. Ao nos dirigirmos para a sala de reunião, nos encontramos com os seis funcionários, inclusive a diretora. Iniciamos a reunião com os responsáveis falando sobre como funcionava o fluxo de pessoas no hospital e de todos os problemas que eles tinham para controlar a entrada e saída dos pacientes nos leitos. Para medir a qualidade do serviço que eles estavam realizando no intuito de melhorar cada vez mais a qualidade deste, foram necessários a criação de mais de 140 indicadores e suas respectivas metas a serem batidas, como por exemplo, média de tempo do paciente no leito, quantidades de pessoas por leito a cada dia, entre outros.

Depois disso, começamos a falar sobre as problemáticas do hospital e os aplicativos que poderiam ser capazes de resolve-las. De início, eles deram ideias mais gerais, como a criação de um app na área de pronto atendimento que controlassem o fluxo de pessoas entrando e saindo dos leitos. Conforme fomos apresentando a nossa linha de raciocínio que tivemos na última aula sobre a criação de um aplicativo que fornecesse informações ao paciente em relação ao tempo de espera, eles foram gostando da ideia e começamos a fazer um brainstorming em busca de um problema que seguisse a mesma linha de raciocínio da nossa ideia, porém que fosse relacionado ao hospital.

Após uma conversa entre os funcionários e os membros do grupo, eles começaram a dar diversas ideias de aplicativos, tais como:

- Assinatura digital
└ Acabaria com a papelada que o paciente tem que assinar manualmente ao dar entrada no hospital.
- Planejamento da alta do paciente
└ Ajudaria o paciente a aprender as necessidades que ele precisa fazer diariamente quando receber alta.
- Informações da cirurgia do paciente
└ Facilitaria o recebimento da informação pelo acompanhante da situação da cirurgia do paciente.

Após um brainstorming, decidimos pela terceira opção, porque todos os envolvidos concordaram que está opção era a que mais se encaixava na proposta do projeto, uma vez que o usuário é bem definido, o problema é pontual e o contexto é crítico e interessante. Depois de escolher por qual caminho seguir, eles nos forneceram mais informações sobre a problemática que escolhemos solucionar através do app, como por exemplo, eles nos informaram que existe uma sala no hospital exclusiva para os acompanhantes dos pacientes que estavam no processo operatório, na qual há uma tela que informa o andamento da cirurgia, entretanto o modo pelo qual essas informações são repassadas aos acompanhantes é muito precário, uma vez que há um encarregado de coletar as informações na base de dados do sistema hospitalar e copiar manualmente no power point do computador, para projetar na tela. Além disso, os acompanhantes ficam “presos” a esta sala, uma vez que essa tela é a única maneira de se conseguir informações sobre a situação da cirurgia.

Para solucionarmos esse problema, sugerimos um aplicativo no qual todas essas informações seriam transmitidas aos acompanhantes em tempo real, visto que o app coletaria os dados direto do sistema, dispensando o trabalho manual e diminuindo as chances de erro. Ainda, ele traria a possibilidade dos acompanhantes carregarem essas informações em qualquer lugar, podendo desfrutar da infraestrutura oferecida pelo hospital e também sair dele caso necessário. Outro benefício seria a privacidade das informações que ao invés de serem repassadas na tela para todos os presentes na sala de uma maneira desnecessária, seria transmitida apenas para os acompanhantes do paciente – o acesso as informações do paciente seria feito através de um login e senha repassados aos acompanhantes e ao paciente, caso não haja acompanhante presente.

Logo que, definimos nosso aplicativo, nos convidaram a visitar a tão falada sala dos acompanhantes. As fotos dessa sala podem ser vistas logo abaixo.
Com isso, conseguimos cumprir os quatro objetivos da visita e definirmos o que será nosso aplicativo.

Conceito

Como conceito, nosso aplicativo primeiramente visa trazer a informação de um jeito mais simples e acessível ao nosso Usuário, oferecendo uma alternativa aos acompanhantes que ficam "presos" por informações transmitidas apenas por uma televisão na sala de espera da cirurgia. O que registramos de mais importante em nossas visitas, sobre nosso usuário, é que ele estará, quando usa nosso aplicativo, sobre uma situação de stress muito alto, com grande ansiedade. Assim, tudo, desde a dinâmica de telas até as cores com que iremos trabalhar é pensado em diminuir esses fatores.

O problema mais grave com que nos deparemos é a forma como a informação é transmitida, de um jeito em que o usuário pode não se sentir confortável de diferentes perspectivas:

- Privacidade: O acompanhante pode não se sentir confortável tendo o nome de seu familiar ou amigo aparecendo numa televisão a todos, bem como seu status, prontuario….
- Ambiente: O Ambiente parece não ser o mais adequado para minimizar ao máximo a ansiedade e tensão dos familiares. O próprio hospital possuí ambientes mais agradáveis que poderiam ser utilizados
- Dependência: Os que acompanham o paciente, por sua necessidade de se atualizar quanto a situação do paciente, podem não ficar confortáveis ao deixarem sala por sua necessidade de se manterem atualizados, o que pode aumentar mais ainda a ansiedade e o stress familiar.

Para tentar atender quais informações são importantes e prioridades para nosso app, analisemos as informações que a televisão transmite :

081b7c7d-b87a-416e-8261-a8d6558abd64.jpg

Legenda: Reprodução da projeção da televisão para analise das informações transmitidas pela mesma.

Isso é importante para o conceito, pois assim somos capazes de definir as informações que o paciente realmente precisa saber e procurar trabalhar como podemos passar essa informação de acordo com nossos conceitos aqui ja citados.

Flow Chart

Antes de iniciar o processo da construção do protótipo do aplicativo, discutimos o que deveria haver em cada página do aplicativo e as inúmeras possibilidades do que poderia aparecer em algumas partes. Para deixar mais claro, peguemos como exemplo ‘Status do paciente’. Nele, devemos pensar nas possibilidades do que pode aparecer nesta janela, como ‘Check-in’, ‘Exames Gerais’, ‘Anestesia’, ‘Cirurgia’, ‘Finalização’ e ‘Curativos’.
Deste modo, fomos pensando em cada possibilidade e fizemos um cartaz que resumisse todo o ‘Flow Chart’. A figura abaixo mostra esse cartaz:

12315360_1187355544611920_1712368992_o.jpg

Parte 3 -

Prototipo

Quarta Visita

Com o objetivo de mostrar a equipe de especialistas nosso progresso e receber um feeedback deles, o grupo se dirigiu mais uma vez ao Hospital Albert Eisnstein:

Resumo da Visita

Pontos Importantes

- Log In: O grupo já havia discutido sobre de que forma nosso Usuário poderia efetuar o log in no app e colocamos nossas ideias na mesa: Ficou decidido que o melhor jeito seria apenas inserir o numero de protocolo ( exibido também na televisão) como formar de se cadastrar no app. Atendendo assim também os pilares estabelecidos pelo conceito do app de informação de forma simples, com privacidade e praticidade.

- Primeira Tela: Discutimos também sobre as informações que são mais importantes de imediato para o Usuário de no App e que portanto deveriam estar disponíveis assim que o Usuário efetuar o Log In. Para a equipe de especialista a distribuição, cores e forma estavam perfeitos, faltando somente acrescentar a informação referente a "previsao de liberação do leito", informação que segundo eles é primordial.

- Extras: Foi colocado também pelo time de especialistas, duas funções que seriam extremamente positivas em nosso aplicativo para o Usuário; Fornecer ao Usuário possíveis atividades de entretenimento que ele poderia vim a usufirir em sua estadia no hospital ou mesmo fora dele ou tambem, fornecer ao Usuário a função "Mapa Guia" onde, pela utilização de nosso app, o Usuário poderia ser guiado através do hospital para o leito ( assim que esse for liberado) ou mesmo para a possível atividade de entreterimento.

Comentarios:

De maneira geral, a equipe de especialista se mostrou satisfeita com nossos avanços desde a escolha de cores até o fluxo de telas. Agradou muito eles a função "notificação" no estilo pop-up. Saímos muito satisfeitos do hospital, pois cumprimos nossos objetivos com a visita.

Prototipo Inical

Depois de passar por todos que nos referimos anteriormente, começamos a pensar sobre a construção do aplicativo. Para isso, utilizamos do 'balsamiq' para fazer a dinâmica das telas. Antes de iniciarmos o processo de construção, pensamos nas melhores alternativas para representar o que queríamos que cada pagina mostrasse. Além disso, pensamos em tornar o nosso app o mais intuitivo possivel e para isso discutimos o formato dos botões, cores, etc. Além disso, tambem discutimos aonde os botoes deveriam ficar e a que paginas eles encaminhariam. Antes que fizessemos a dinamica fluir, fizemos um balsamiq com o que queriamos ligar e tentamos resumir ao maximo na imagem abaixo:

co-design.png

Depois dissso, eis a versão com a dinâmica pronta e funcionando:

**

User Evaluation 1

È Importante destacar que por motivos burocráticos, porem totalmente compreensíveis e razoáveis, não foi possível ao grupo ter acesso, em nenhuma visita, aos verdadeiros Usuários de nosso App, ou seja, pessoas que estariam acompanhando um familiar ou amigo no hospital, durante uma cirurgia. Assim, antes dessa etapa, todo o progresso foi resumido aos feedbacks da equipe de professres e do time de especialistas.

Para suprir a necessidade imprescindível de se fazer um User Evaluation, obtamos por fazer uma atividade de imersão no cenário de nosso "Usuário" ( que seria um voluntario) , com o devido contexto, como explicado abaixo:

Cenário

Imagine que algum parente ou amigo seu está sendo operado nesse exato momento, em algum hospital, e você o está acompanhando. Você está aguardando em uma sala exclusivamente destinada a todos os acompanhantes, onde, em um pequeno monitor você recebe algumas informações: Nome do paciente, Prontuários, Status e Previsão de liberação do leito. Você está estressado e muito ansioso para receber mais informações sobre a situação de seu ente querido, enquanto aguarda a liberação do leito que será destinado ao paciente no pós-operatório. Você é livre para circular no hospital, aproveitando tudo que ele oferece, mas sua única fonte de informações está na sala com a televisão. Com fome a já um tempo e precisando sair daquele ambiente, você procura a secretaria para perguntar a ela se existe a possibilidade dela entrar em contato, via telefone, caso seja necessário. Como alternativa, ela oferece a opção de usar um app, em desenvolvimento ainda, que talvez poderia resolver seu problema. Terminado o download do app, você pega seu celular para testa-lo.

Como usuário entrevistamos o professor Leônidas, do Insper, antes de apresentarmos o cenário proposto à ele, fizemos algumas perguntas de experiências que ele já teve em hospitais, acompanhando algum familiar ou amigo. Abaixo seguem algumas perguntas feitas e suas respectivas respostas:
1- Você já acompanhou alguém no hospital?
- Sim, infelizmente muitas vezes, já acompanhei em internações, UTI, operação, exames, entre outros.

2- Onde você ficou enquanto esperava o paciente?
- Fiquei no leito na maioria das vezes, mas eu já fiquei na sala de espera também, e teve uma vez que fiquei na sala de espera por um tempo até sair o leito

3- Quando você esperou na sala de espera, como você recebia informações sobre o paciente e sobre a disponibilidade do leito?
- Não tinha informações, ninguém sabia o que estava acontecendo dentro da sala, só recebi informação quando acabou a cirurgia e o anestesista veio falar comigo. Sobre o leito, só fiquei sabendo quando a secretária me disse que estava liberado, eles haviam dado uma estimativa, mas só isso.

4- O que você costumava fazer enquanto esperava, e como você se sentia?
- Eu ficava muito ansioso né?! A gente fica ansioso, eu procurava passar o tempo lendo ou rezando.
Depois do questionamento, passamos o nosso cenário (situação problema) para o usuário, e em seguida deixamos ele usar o nosso app sozinho, enquanto isso, ficamos observando sua expressão em cada tela, e as dúvidas que surgiam, pois estas indicavam o que não estava sugestivo no nosso aplicativo. Abaixo listaremos as principais indagações do usuário ao final do uso:

1- Já na tela de descrição, seria interessante ter quando foi realizada a última atualização das informações

2- Na tela de procedimentos, não sabia em qual procedimento o paciente estava, mesmo com a cor azul indicando, isto não ficou intuitivo

3- Na aba de notificações, ficou difícil entender o que era: FIM: Cirurgia; INICIO: Finalização.
Além das indagações, abaixo listaremos o que percebemos que o usuário teve dificuldade enquanto usava o app:

4- As vezes ele voltava uma tela e clicava duas vezes no botão de voltar, e como este botão fica no mesmo lugar que o botão de sair do app na página inicial, muitas vezes ele saia do aplicativo sem querer.

5- Na aba notificações, linkar as informações sobre o procedimento que acabou, mas principalmente o que iniciou, para ter acesso rápido.

6- Alterar o modo de login de ID DO PACIENTE para NÚMERO DO PRONTUÁRIO

7- O tempo aproximado de liberação do leito é uma das informações mais importantes que os acompanhantes procuram, então deveria ser uma de nossas informações principais
Abaixo indicaremos como resolvemos cada um dos problemas indicados pelo usuário e percebido por nós após observarmos o uso do mesmo.


1- Mostrar quanto tempo passou desde a última atualização
SOLUÇÃO: Adicionamos o tempo da última atualização na tela inicial (após login)

pre1.png
pos1.png

2- Deixar mais intuitivo quais procedimentos já passaram
SOLUÇÃO:Presença de checkbox com vistos nos procedimentos concluidos

3pre.png
3pos.png

3- Explicar melhor o que estava acontecendo na aba notificações
SOLUÇÃO:Melhoramos os textos para deixar mais intuitivo

2pre.png
2pos.png

4- Criar uma confirmação ao clicar em sair
SOLUÇÃO: Criamos uma nova tela que aparece quando o usuário clica no botão de sair

4.png

5- Criar um link do procedimento da aba notificações com mais informações sobre o mesmo
SOLUÇÃO: Agora se o usuário clicar no procedimento ao abrir as notificações será redirecionado à tela de mais informações deste mesmo procedimento

5.png

6- Diminuir o trabalho da secretária
SOLUÇÃO: O login agora será feito através do número do prontuário do paciente, ao invés deste receber um ID (uma senha) ao entrar em operação.

6pre.png
6pos.png

7- Colocar o tempo aproximado para liberação do leito como informação principal
SOLUÇÃO: Colocamos a previsão para liberação de leito em destaque, com fonte maior e uma cor de muito contraste com o nosso app, para que seja uma informação que o usuário veja assim que abrir o app.

7.png

Prototipo Final

https://codesigndeapps.mybalsamiq.com/projects/projeto2-c4/prototype/New%20mockup%202?key=e94b73576eb6642599689652c4493d2e501d8725

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License