Projeto 2 - Grupo 1C: Apps para Medicina

Integrantes

  • Larissa Floriano
  • Lucas Astur
  • Ian Vianna
  • Gabriel Rios
  • Luca Facciolo

Tema

Medicina

Início

Aula dia 27/10 :

  • Discutimos sobre os problemas que usuários frequentemente encontram em hospitais, centro de exames, etc.
  • Chegamos a conclusão que realizaremos uma pesquisa de campo para conhecer, a partir de uma pesquisa com pessoas em um hospital, possíveis problemas a serem abordados pelo app.
  • Depois da pesquisa de campo, reuniremos o grupo para discussão do app.
  • Site no qual poderemos nos basear

Primeira visita de Campo

Durante nossa primeira ida a campo fomos apresentados por um médico local a algumas problemáticas que o hospital Albert Einstein vêm sofrendo, possibilidades essas possíveis de serem exploradas e melhoradas por meio de algum aplicativo. Abaixo encontram-se algumas possibilidades que, ao nosso ver, se destacaram como excelentes oportunidades.

Problemas Encontrados:
1) Desorganização para agendar grandes quantidades de exames;
2) Funcionários Desinformados
3) Site com dificuldade de acesso
4) Fila de espera
5) Demora no atendimento
6) Dificuldade na retirada de exames
7) Gerenciamento de leitos
8) Higiene dos quartos
9) Funcionalidade das máquinas
10) Uso de dados de aparelhos médicos para outras finalidades diagnósticas

Estratégias Adotadas:
1) Falar com pacientes*
2) Falar com recepcionistas, enfermeiros e médicos*
3) "Ser"o usuário
4) Olhas a agenda, a rotina dos enfermeiros
5) Entender a rotina dos médicos
6) Entender como funciona a organização dos leitos
7) Avaliar os meios de atendimentos existentes
8) Observar aplicativos existentes
9) Observar mais de um hospital

*: todos as tecnicas de entrevista dos usuarios aprendidas na materia foram utilizadas nas entrevistas mencionadas.

O Aplicativo

Baseado nas reflexões após a primeira visita a campo, pré-selecionamos alguns tópicos para o App:

*Possíveis funções do App pré segunda pesquisa de campo:*

1) Agendamento de consultas/exames/cirurgias
2) Tornar mais ágil o atendimento de consultas e exames
3) Mapa interativo com relação aos leitos do hospital
4) Ver o resultado do exame no App
5) Tornar a experiência de agendamento melhor

Brainstorm de ideias para o App após a primeira visita a campo

12212401_947534815319860_917675373_n.jpg
12233207_947534808653194_1924436347_n.jpg
12233238_947534821986526_1266007812_n.jpg
l.jpg

Entrevista com Pacientes

Processo de Escolha dos Pacientes
- O objetivo inicial do grupo era de entrevistar pacientes do hospital Albert Einstein, perguntando a eles sobre o que poderia ser melhor em sua experiência no hospital, no âmbito de espera pelo atendimento e resultados de exames realizados, facilidade de acesso para pessoas deficientes, assim como facilidade em encontrar os locais nos quais se desejava ir dentro do hospital. Porém, o grupo não pôde realizar as entrevistas com os pacientes devido à burocracia do hospital visitado. Para realizar entrevistas, era necessário marcar um agendamento com o hospital, e o tempo de espera seria muito grande, ultrapassando o prazo para o término do trabalho. Portanto, nossa alternativa foi recorrer a parentes e conhecidos que já haviam utilizado dos serviços hospitalares. Segue abaixo o resultado das entrevistas.

Entrevistas de Gabriel Rios
-A entrevista de Gabriel Rios, participante do grupo, foi realizada com sua mãe, pai e com sua avó. Também contou com experiências do próprio entrevistador. Sua mãe e sua avó realizaram cirurgias, assim possuíram experiências parecidas nos hospitais que frequentaram:

1) Localização dentro do Hospital

  • Apesar da indicação das placas, encontrar o quarto do pós-operatório não se mostrou uma tarefa fácil. Com isso, a família (Pai e Mãe) acaba ganhando mais um estresse dentro do hospital. A mesma dificuldade se mostrou presente em encontrar banheiros e salas de espera. Eu mesmo (Gabriel) tive dificuldades em encontrar as salas onde era designado por enfermeiras no pronto-socorro.

2) Espera

  • Também no pronto-socorro, a espera se mostrou um peso notável. Apesar de existir um sistema que visa atender antes os pacientes com acidentes mais graves, uma previsão da hora em que os demais pacientes serão atendidos, assim como a circulação de enfermeiros pela sala de espera poderia melhorar a experiência dos enfermos.
  • A espera pelos resultados de raio-x se mostrou igual ou superior à espera pelo atendimento. Pensamos que o cansaço poderia ser evitado se o hospital tivesse uma melhor organização que fizesse a retirada de exames ser bem mais rápida.

-Essas foram as principais dificuldades encontradas nos hospitais que foram frequentados. Por serem bons hospitais, a experiência no geral foi boa, sendo os erros acima encontrados poucos e de solução simples.

Entrevistas de Facciolo
-Paciente 1: Edilene Castroviejo
Edilene Castroviejo pôde relatar a nós tanto aspectos dos hospitais particulares quanto públicos.
Em relação aos hospitais públicos, houveram muitas críticas. Tais como a falta de sensibilidade dos profissionais perante os pacientes, a extrema desorganização e precariedade dos serviços do estabelecimento e a objetificação dos paciente , isto é, a falta de humanidade nos médicos. Esta paciente experienciou as críticas mencionadas no hospital Saboya , localizado no jabaquara.
Quanto aos hospitais particulares, houveram criticas de dois hospitais em especifico: O antigo Medial e o Santa Joana.No primeiro, a usuária nos contou que vivenciou um despero: Seu filho passava por uma crise de bronquite, e mesmo assim , esperou mais de 2 horas sem ser atendido. A solução foi ser atendido em um hospital de melhor porte , o Albert Einstein. Lá ela e seu filho foram atendidos com agilidade e eficiencia. Em relação ao segundo hospital, o Santa Joana, Edilene passou por uma situação de superlotação no nascimento de seu segundo filho, tendo que concebe-lo na enfermagem e não no local adequado.

-Paciente 2: Ivaldo Facciolo
Este paciente quis expor sua perspectiva da saúde no Brasil. Em relação aos paciente assistidos pelo governo, Ivaldo relata que existem ilhas de excelencia , como o hospital das clínicas. Entretanto , há muita demanda e pouca oferta o que faz desse hospital quase inacessivel à população brasileira. Os demais hospitais públicos , segundo sua perspectiva e experiencia de vida, têm extrema carência de medicamentos, equipamentos,leitos,atendimentos médicos e enfermeiros. Ele nos disse uma coisa óbvia, mas que deve ser lembrada : "A maioria dos hospitais públicos são ruins , mas existem. Caso contrário, seria muito pior".
Quanto aos pacientes assistidos pela rede privada , Ivaldo os classificou em dois grupos: Os que são privilegiados por planos médicos de primeira linha , e os demais. Segundo ele , os privilegiados tem acesso a excelencia da medicina. Ele citou alguns hospitais que se encaixam nesse grupo: Albert Einstein e Sirio Libanes. Não há criticas de sua parte a esse grupo de hospitais. Quanto aos demais, em geral os hospitais são muito antigos e há carencias nas acomodações, equipamentos a disposição,corpo de atendimento(médicos,enfermeiros e limpeza). Em suma ele categorizou que na rede privada existem planos que podem ser comparados aos de paises de primeiro mundo, mas também existem planos secundários mediocres.

-Paciente 3: Ernestina Zambotto
Achamos interessante entrevistar Ernestina pois ela já é uma idosa com muita experiencia no departamento médico. Ela iniciou nossa entrevista relatando que para ela é muito dificil, praticamente impossivel, mudar de plano de saúde. Segundo suas próprias palavras , "Há um total bloqueio de melhora de plano de saúde". Para ela ,isso acontece pois o custo médico de um idoso é muito alto e por isso os convênios optam por deixar essas pessoas a deriva do acesso à saúde. Ela nos contou três experiencias que passou. A primeira delas foi a recusa de seu tratamento devido ao seu custo oneroso. Sua segunda experiencia negativa foi em relação a operação de seu femur após ter caido da escada. O local da cirurgia era extremamente longe, os exames prés e pós operatórios eram em lugares diferentes , o que dificultava a realização destes, e o verdadeiro motivo pelo qual essa experiencia foi tão negativa: Ela teve que ser refeita após 3 meses. Isso aconteceu pois os médicos realizaram os procedimentos errados em sua cirurgia: Ao invés de implatar uma peça de titânio em seu osso, tentaram emendar o próprio. Isso causou um trauma psicológico enorme para a paciente além de uma dor aguda por meses.Sua última experiencia foi receber o tratamento médico equivocado, mesmo com o laudo correto. Ou seja, o diagnostico médico foi correto, mas foi aplicado outro tratamento que nao condizia com o diagnóstico. Ernestina terminou nossa entrevista alegando que os órgãos fiscalizadores estão inertes aos problemas, pois já tentou processar diversas vezes os hospitais e médicos responsáveis mas nunca o processo foi levado adiante.

Entrevista da Larissa

A entrevista feita por Larissa Foriano, integrante do grupo foi feita com um familiar próximo, sua avó, Maria Irady que regularmente utiliza serviços hospitalares. Por opção, o entrevistado só frequenta um hospital particular, bancado pelo convênio. Os pontos a serem melhorados citados pela paciente foram:

a. Muito tempo de espera para consultas, dentro do hospital;

b. Superlotação, portanto é atendido quem chega primeiro;

c. Poucos médicos a disposição, com muitas tarefas;

d. Necessidade de ligar no hospital para marcar exames ou marcar pela internet. Como o usuário possui convênio médico, é exigido uma autorização da empresa, fazendo com que o paciente tenha que ligar na central de atendimento para conseguir essa autorização;

e. O usuário nunca é atendido no horário, mesmo marcando com antecedência.

Apesar dos aspectos apresentados acima, a entrevistada declarou ter uma ótima experiência com o hospital , relatando um ótimo atendimento dos funcionários, boa indicação de lugares para exames e consultas, há atendimento preferencial (a pessoa entrevistada possui mais de 65 anos) e os resultados do exame são entregues pontualmente (sem problema com datas) e não demoram para sair.

Entrevista do Ian

A entrevista do Ian foi feita com os seus familiares, sua mãe, Cris Vianna, sua irma, Liz Vianna e seu pai Mauricio Pinto. Forem-lhes preguntado quais são os maiores problemas encontrados em hospitais que são usados por eles.

Principais problemas encontrados:

- Longas filas de espera para atendimento;

- Dificuldade de organização dos seguros de saúde em situações mais criticas;

- Demora e dificuldade para liberar o atendimento pelo seguro de saúde;

- falta de organização nos horários marcados, gerando em uma longa espera mesmo no horário determinado;

- Médicos gananciosos que marcam cirurgias "desnecessárias" para ganhar dinheiro;

- Médicos que só recomendam antibióticos para os pacientes, medicamentos muito fortes que podem facilmente ser substituídos por outros medicamentos menos perigosos a saúde.

Entrevista do Lucas

Baseado no criterio de realizar a entrevista com alguem que ja vivenciou e vivencia até hoje idas frequentes a hospitais do sus, realizei esta entrevista com um amigo, Lucas Eduardo Zoubaref de Amorim, que pode me contar um pouco de sua experiência, bem como criticas ao local, algumas dignas de terem solucoes exploradas por meio de um Aplicativo.

A entrevista foi conduzida por duas perguntas gerais, qie estão dispostas abaixo e com suas respectivas respostas:

1) como foi o agendamento de sua cirurgia no sus? Descreva de maneira breve o processo em si:

Resposta:

Eu passei primeiramente no pronto socorro, tive q passar 3x, pois nas primeiras duas falaram que era só por gelo e anti inflamatório (rompi o ligamento e o menisco). Após a 3a ida ao ps o médico residente escreveu uma carta de recomendação pro grupo de joelho, falando do meu caso. Depois de alguns meses tive minha primeira consulta com médico especialista, q pediu uma ressonância magnetica, que levou cerca de 2 meses pra fazer e mais 1 mês pro resultado. Depois de apresentar a ressonância ao medico ele disse q era necessário fazer uma cirurgia de reconstrução de ligamento e menisco, q demoraria de 1 a 2 anos. Depois de um pouco menos de 1 ano ligaram pra mim e agendaram a cirurgia pra aproximadamente daqui 2 meses. Depois passei por mais 4 consultas de pré cirurgia, fiz a cirurgia e depois tive fisioterapia por aproximadamente 4 meses

2) Quais são os problemas de gerenciamento do hospital que mais ficaram/ficam evidentes para você?

Resposta:

Problemas principais foram em relação aos problemas do pronto socorro, como a falta de médicos experientes e a falta de máquinas, inclusive a de ressonância magnética, e a demora e burocracia para conseguir consulta com médicos especialistas, ainda q isso sejam consequência do grande número de pacientes do SUS. Outro problema é a demora para a cirurgia, oq também é explicado pela alta demanda da cirurgia

Conclusão das Entrevistas

- Com as entrevistas realizadas pelo grupo 1C , pode-se concluir que:

  • Existem hospitais particulares cujo serviço pode ser comparado a hospitais de primeiro mundo, como Albert Einstein e Sírio Libanês. Com atendimento rápido, ambientes higienizados e tratamento eficiente, esses hospitais dificilmente são criticados.
  • Também existem hospitais particulares ,cujo custo não é tão elevado, que deixam um pouco a desejar em questão de consulta e agendamento de exames, bem como os locais de exame. A espera pelo tratamento pode ser tão longa a ponto do paciente recorrer a outros hospitais, na tentativa de ser atendido.
  • Para hospitais públicos, tomamos o SUS como referência para nossa pesquisa. Atendimento muito demorado, falta de médicos, leitos, aparelhos para exames, demora e dificuldade ao acesso de exames pelo paciente fazem com que o atendimento público à enfermos seja ineficiente, tornando a experiência do paciente um trauma.

Baseado nas entrevistas do grupo, pudemos notar que com a exclusão dos hospitais de excelencia, os usuários enfrentam longas esperas para consultas, que muitas vezes podem ser rapidamente solucionadas.Pudemos notar também que os usuários, por nao conhecerem médicos autonomos,sempre vão à hospitais o que sobrecarrega a carga horária dos profissionais que trabalham nestes estabelecimentos. A possivel solução encontrada pelo grupo para agilizar a consulta dos usuários e tirar tal sobrecarga dos profissionais de hospitais, permitindo que estes se concentrem mais em pacientes que necessitam de imediato atendimento, foi a idealização de um aplicativo cujo objetivo é dinamizar o processo de agendamento de consultas e distribuir a todos médicos, autonomos ou não,pacientes a serem atendidos.

Apps de Referência

-Procuramos por aplicativos de agendamento de exames através do celular, mas não conseguimos encontrar nenhum. Os únicos aplicativos que encontramos eram jogos, nenhum que realmente servisse para o usuário de hospital. Procuramos aplicativos do hospital Albert Einstein e São Luíz.

-Portanto, entramos nos sites dos respectivos hospitais para procurarmos por serviços de agendamento, a fim de obtermos uma boa comparação para nosso App. Os links abaixo se referem a parte de agendamento dos sites no qual poderemos nos basear para realizarmos nosso aplicativo. Links dos hospitais Albert Einstein e São Luíz.

- Nos links acima, encontramos os serviços de agendamento de exames. Como de prache, dados pessoais, como cpf, telefone e data de nascimento são requeridos pelo hospital. Observamos também que a forma de pagamento já se encontra disponível junto das informações. O período, assim como a unidade desejada pelo paciente se encontram junto dos demais requerimentos, o que facilita, agiliza e simplifica bastante a vida daqueles que pretendem realizar um exame.

-Para nosso aplicativo, portanto, iremos nos basear nas informações encontradas e lisatdas acima dos sites, adaptando para um modelo de celular, para facilitarmos o quanto possível a vida do paciente.

Lexicon

Para auxiliar na criação do aplicativo, fizemos um lexicon, que é uma espécie de dicionário com os termos usados no cotidiano dos profissionais da área de saúde.

20151123151322%20%281%29.jpg

Persona

Dorival

-Dorival é um funcionário de empresa que acorda as 05:30 todos os dias e retorna a sua casa somente em torno das 22:00. Em seu contrato profissional, sua empresa disponibiliza um convênio familiar com planos de saúde básico, Entretanto ele não usufrui muito deste convenio pois não tem tempo de agendar suas consultas. Dorival tem uma filha com problemas de acne, mas que pela falta de instrução não sabe o que fazer, nem qual profissional contatar.Iana, a filha, tem receio de ir a festas e se sente mal consigo mesma. Pela falta de dinheiro da familia, ela miseravelmente tenta fazer os tratamentos que suas amigas a indicam,mas sem sucesso. O aplicativo Med Agi, facilitaria a vida destas duas pessoas e faria Dorival usufruir de seus beneficios proporcionados pelo emprego. O aplicativo proporcionaria um check up facil de ser agendado tanto para Dorival quanto para sua familia , e o médico geral poderia indicar Iana a um outro profissional dermatologo, vinculado ao convenio, capaz de amenizar os problemas do inicio de sua juventude. Dorival passa, em média, 2 horas no onibus mexendo em seu smartphone. Após a invenção do aplicativo, o pai viuvo pode agora ajudar sua querida filha a enfrentar sua adolescencia com o simples toque de um botão de seu smartphone em meio ao transito infernal de sua cidade. Iana pode ir aos médicos durante a semana, enquanto Dorival pode fazer seu Check up da meia idade aos fins de semana. Duas vidas mais felizes, devido à facilitação do agendamento de consultas proporcionado pelo Med Agi.

Funcionamento do aplicativo

Aplicativo
- O aplicativo Med Agi funcionará do mesmo modo como aplicativos de taxi funcionam. Existirão dois aplicativos , um para o usuário e outro para o profissional. Assim que um usuário confirmar sua consulta , com todas suas preferências, aparecerá no aplicativo de todos médicos cadastrados a opção de aceitar tal agendamento. Para isso, o plano de convenio do usuário deve ser compativel ao convenio que o médico atende. Para garantir a excelencia dos atendimentos , os pacientes poderão dar notas aos profissionais e indica-los ou não aos outros usuários do aplicativo. Caso o profissional não mantenha boas notas, ele será afastado do Med Agi além de ser advertido. Após 2 meses ele poderá voltar a usar o aplicativo e caso ainda esteja disponibilizando maus atendimentos ele não poderá mais usufruir de nossos serviços. Temos isso em mente pois nosso aplicativo marca consultas com médicos aleatórios e desejamos que todos esses médicos sejam ótimos em seu ofício. A ideia é facilitar aos usuários seus cotidianos e fazer com que eles possam usufruir melhor de seus planos de saúde. Quanto aos médicos, terão mais pacientes para serem atendidos e poderão manter uma rotação maior de clientes. Após a fidelização do paciente com o profissional , o contato entre ambos passa a ser direto e o serviço Med Agi nao serve mais como intermédio.

Mapa inicial do Aplicativo

  • O Mapa do Aplicativo visa demonstrar o que o App tem a oferecer aos usuários. Simplificadamente, mostraremos como a interface foi pensada baseada no objetivo principal do nosso projeto: Facilitar o agendamento dos pacientes. Segue abaixo fotos de algumas partes do App.
balsamiq-1.jpg
balsamiq-2.jpg
balsamiq-3.jpg
balsamiq-4.jpg
balsamiq-5.jpg
balsamiq-6.jpg

Link do balsamiq

Críticas da banca

Críticas do expert
-A partir das críticas do expert responsável pela avaliação do projeto, decidimos incluir nao só médicos vinculados a hospitais , como autonomos. Além disso , disponibilizamos uma opção em que o usuário pode escolher um agendamento de consultas por região, para que a agilidade em marcar consultas seja maximizada. A ideia é que qualquer médico vinculado ao convenio do paciente possa conduzir tais consultas.Para manter a excelência dos atendimentos após todas consultas, os usuários poderão avaliar o médico e qualquer um que esteja com uma média abaixo de quatro estrelas será afastado do aplicativo. Outro palpite interessante do expert do hospital Albert Einstein foi incluir um histórico com todas as consultas já feitas e com os nomes de todos os médicos os quais a fizeram.
Críticas dos professores
- Ponderamos as críticas dos professores, mas como nosso aplicativo não tem o foco o qual os professores se direcionaram optamos por não alterar o objetivo de nosso aplicativo- facilitar o cotidiano de pacientes que necessitam de um agendamento de consulta geral ágil.

User Evaluation

Sobre o primeiro User Evaluation

-O App de agendamento de consultas realizado no Balsamiq, plataforma de simulação de aplicativos, foi avaliado pelo aluno de engenharia David Engelstein. O objetivo era deixar nosso usuário manusear o aplicativo sozinho, com o mínimo de explicação de como ele funciona, para que pudéssemos obter um feedback realista do quão auto-explicativa a interface do aplicativo estava. Abaixo, encontram-se observações feitas por David sobre a interface do aplicativo e suas funcionalidades.

  • A interface do aplicativo está fácil de se compreender, ou seja, o usuário não se confunde com a disposição de botões e consegue seleciona-los sem dificuldades.
  • No primeiro instante, o botão "Adicionar mais um usuário" gerou dúvida ao usuário sobre sua função, mas que foi reconhecida e compreendida instantes depois pelo próprio David.
  • Convênio ser uma opção do aplicativo para o usuário foi elogiada pelo aluno avaliador.
  • Notificações de quando sua consulta está se aproximando da data marcada também se mostrou um ponto positivo para David.
  • A opção de ajustar o apicativo conforme o gosto do usuário foi elogiada, se mostrando interessante ao usuário.
  • Link do primeiro User Evaluation

Link para video do user evaluation

Sobre o segundo User Evaluation

- A segunda iteração do aplicativo foi feita com Victor Mirkhan, que possui arritmia, logo um usuário em potencial para o aplicativo de agendamento de exames. Victor fez algumas observações interessantes sobre o App, que se encontram logo abaixo:

  • O aplicativo está intuitivo, fácil de se compreender no geral.
  • O App apresenta a opção "Informações", que fala sobre tudo que está contido nele. Viktor apontou este tópico como sendo algo positivo.
  • A opção de "Adicionar Usuário" ficou um pouco confusa na opinião de Viktor. Uma possível solução sugerida é a de melhorar e deixar mais completo o cadastro do dependente do usuário principal.
  • Adicionar informações pessoais nos dados do usuário.
  • Adicionar a localização do usuário.
  • Baseado nas críticas realizadas pelo usuário, resolvemos implementar a ideia da inclusão do CPF e da cidade do usuário. Segue abaixo a foto da página no Balsamiq com a implementação já realizada.
balamiq%20-%20mirkhan.JPG
  • Link do segundo User Evaluation

Link para video do user evaluation

Sobre o terceiro User Evaluation

- O terceiro user entrevistado foi o Gabriel Patrocínio, que tem asma crônica, e frequenta hopitais frequentemente, assim sendo um potencial usuário. O feedback desse usuário foi bem completo e os principais pontos são listados abaixo:

  • O app é bem intuitivo
  • Poderia ter uma tela de confirmação de agendamento de consulta
  • Corrigir espaços em branco entre os botões
  • Na área de ajustes, ter um check para alerta, indicando qual tipo de alerta está selecionado
  • Na tela inicial, onde tem escrito med agility, poderia ser menor ou até não ter essa parte
  • Mais espaço para consultas agendadas na tela inicial
  • Botão de sair em uma posição ruim, mudar o local ou fazer uma tela de confirmação para sair
  • Rever o texto, fazê-lo mais didático, fácil para o entendimento dos botões pelo usuário
  • Histórico de consultas foi um ponto bem positivo
  • Exemplo nos botões dos hospitais e regiões
  • Diversos usuários foi uma ideia ótima, porém não é claro nem intuitivo essa parte, seria bom uma explicação, já que é um aplicativo, portanto é intuitivo ter apenas um usuário.

Decidimos então informações detalhadas de cada página disponivel ao clique do botão azul com interrogação.Além disso tornamos a página criticada pelo usuário mais intuitiva, deixando claro o que significa a terceira opção disponivel.Abaixo segue a foto da página do App.

balsamiq%20-%20patrocinio.JPG

Link para video do user evaluation

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License