Grupo 4B - Arthur Lee, Vinícius Ribeiro e Khalil Yassine

Projeto Aplicativo para ambiente no Insper

Estudo de Campo - 02/09


Guia sobre questões a refletir durante e depois do estudo de campo

  • Tema escolhido e objetivos
  • Data, horário e local
  • Eu vi…
  • Eu observei…
  • Eu ouvi que…
  • Confirmou o que eu sabia:
  • Acrescentou alguma coisa ao que eu já sabia:
  • Representou uma novidade:
  • Trouxe insights/ideias/possíveis oportunidades:
  • Quanto ao método:
  • O que foi um desafio?
  • Dúvidas que surgiram e como resolvi ou não.

Depois de termos a atividade precursora de entrevista antes de sairmos pelo prédio do Insper, nosso grupo decidiu antes de mais nada organizar o que seria feito, perguntado, como iríamos fazer as aproximações e entrevista em outras pessoas ao redor e como iríamos analisar as respostas obtidas. Fizemos algo uma preparação ou estratégia antes de irmos em campo, e decidimos que a forma de aproximação seria um pouco de cada técnica que vimos e treinamos durante a aula, como o "Shadowing" e a Narrativa: algumas vezes iríamos aproximar da pessoa juntos, outras vezes um iria se aproximar da pessoa enquanto a outra tomaria notas e vice-versa. Não fizemos um roteiro super detalhado, mas fizemos uma espécie de roteiro para diferentes situações:

  • O que você acha desse lugar?
  • Você poderia falar alguma problema por aqui?
  • O que de diferente você faria aqui para o tornar melhor?
  • Qual a frequência que você usa o espaço?

Nós queríamos saber quais eram as percepções e sensações que os usuários tinham de diferentes espaços do prédio, com isso identificar características locais que tornavam ele bom ou ruim e identificar depois disso problemas poderiam ser resolvidos. Percorremos do quinto andar até o subsolo (andar -1) em busca de pessoas que pudessem ser entrevistadas, e não falamos somente com alunos, mas também com funcionários e não-alunos.

Depois de nosso “briefing” fomos ao quinto andar, onde fica o restaurante. Já tínhamos certa familiaridade com o espaço pois almoçamos quase todos os dias lá e sabíamos que grande maioria dos estudantes no Insper considera o almoço do restaurante “caro” e a qualidade da comida não condizia com o preço cobrado.

Visões

* Visão do Arthur:

“ Como era lá pelas quatro horas da tarde, não tinha muitas pessoas no refeitório e vi poucas pessoas por lá. Como a gente tinha acabado de sair da aula, estava com um pouco de sono e já que eu sou tímido, tava nervoso também em chegar em pessoas desconhecidas. Eu e o Vini notamos um jovem sozinho numa mesa, e decidimos aproximar dele e começar com as perguntas. Ele era um estudante da ESPM e não me lembro do motivo pelo qual ele estava no Insper, mas quando fizemos a entrevista, ele disse que talvez o Insper pudesse ter maior sinalização e placas de identificação não só no prédio como ao redor dele. Tirando isso ele elogiou bastante o restaurante e não tinha reclamações. A próxima entrevista que fizemos foi com uma funcionária do restaurante, onde falou um pouco sobre a rotina do staff e problemas operacionais relacionados com a entrega de mantimentos na cozinha. Mas ela me fez notar que o sistema de reclamações do restaurante poderia melhorar, já que a pessoa que quisesse fazer uma reclamação ou recomendar algo deveria falar com a gerente, que poderia ter outro método mais simples e prático.”

* Visão do Vini:

"Depois de entrevistar as duas pessoas no quinto andar, o estudante da ESPM que foi ao Insper para uma entrevista à Endeavor, e a gerente do restaurante, Lee e eu partimos para encontrar mais pessoas em outros andares, já que no quinto andar não havia mais ninguém. Porém, não obtivemos muito sucesso. Os corredores do terceiro, segundo e quinto andar estavam vazios (o quarto andar é o de Engenharia) , sem alunos ou não-alunos nos locais. Então Mr. Lee e eu seguimos para o térreo, onde fica a Biblioteca Telles e onde há um maior movimento de pessoas. Lá conseguimos entrevistar quatro pessoas, duas delas em frente à Biblioteca, que apontaram um problema com os apoios de mochilas das mesas da biblioteca. Muitas estavam quebradas ou com defeito. Entretanto, no geral eles apenas apontaram qualidades ao ambiente do Insper. Os outros dois, por serem bixos, não tinham muito o que falar, mas ainda sim só apontaram qualidades aos Insper."

* Visão do Arthur:

“Os segundo e terceiros andares pareciam tipo aquelas cenas de filme de faroeste: VAZIO e sem nenhuma alma viva por lá, exceto nas salas de aula. Quando chegamos no primeiro andar fomos para a biblioteca, onde ficam as salas de estudos em grupo. Eu até pensei em entrar em uma dessas salas e perguntar se alguém poderia fazer a entrevista, mas logo depois desisti da ideia pois isto seria uma tremenda falta de educação com os outros colegas. Então descemos para o térreo e ficamos na entrada da biblioteca a espera de pessoas (tipo abutres em busca de carniça). Lá entrevistamos quatro pessoas. As duas primeiras elogiaram o espaço da biblioteca, ideal para o estudo. Elas só reclamaram que faltava um espaço nas “nerboxes” para colocar as mochilas. Eu nunca tinha notado isto, já que geralmente eu coloco minha mochila atrás da cadeira ou no chão. As outras duas eram bixos que tinham acabado de entrar em ADM, então elas meio que ficaram confusas com as perguntas, pois elas ainda não tinham familiaridade com a estrutura do prédio. Talvez faltasse algum tipo de portal ou terminal de informação que direcionasse melhor as pessoas que são novas no prédio ou em algum curso do Insper. Encontramos na entrada outras dois outros trios da nossa sala, que também estavam em busca de pessoas para entrevistarem, tava osso fazer a atividade e meio desconfortável.“

* Visão do Vini:

"No subsolo, também não haviam muitas pessoas que poderiam ser entrevistadas, algumas pessoas de fora do Insper e funcionários da lanchonete. Entrevistamos apenas mais uma pessoa, que era aluna do último aluno de ADM. Quando nós a entrevistamos, pudemos abstrair que a divulgação de eventos, programas, palestras e a renovação de livros eram muito ruins , já que se usa o email e grupo de face para se fazer tais divulgações e as renovações dos livros. Também ela citou que talvez poderia haver algum tipo de filtro que o aluno poderia colocar, assim ele receberia somente coisas que seriam interessantes para ele. Pensando nisso, Mr. Lee e eu já começamos a idealizar um app que possa melhorar essa situação. Mas por enquanto são só ideias…"

No geral, pudemos concluir depois das entrevistas que foram feitas pelo prédio do Insper que o método de entrevista e de abstração de conclusões e problemas a partir dos relatos das pessoas pode ser melhorado, e que o horário não era muito bom para fazer isso, já que não haviam pessoas para serem entrevistadas (estavam em aula ou já haviam ido embora). No fim, não conseguimos entrevistar muitas pessoas e , portanto, identificar por meio destas muitas problemáticas com o ambiente Insper. Entretanto, tentamos absorver o máximo do que nos foi falado nas entrevistas para que possamos idealizar um app que possa melhorar alguma situação não muito agradável.


Brainstorm e Paper Prototyping - 09/09

Para a aula de hoje tivemos uma sessão de brainstorm, onde exploramos as problemáticas encontradas e analisadas a partir das observações e entrevistas que fizemos durante o estudo de campo. O nosso grupo recebeu mais um integrante, Khalil Yassine. Inicialmente fizemos uma análise com base nos depoimentos de várias pessoas no Insper e identificamos que:

  • Vários alunos do Insper possuem dificuldade em receber notícias, convites de palestras e outros tipos de comunicados da faculdade e das entidades. Conversando com uma aluna do último de ADM durante o estudo de campo e também com vários colegas de Engenharia, pudemos perceber que as plataformas em que se divulgam tais informações (Facebook e email) possuem certas limitações que podem prejudicar a visualização de eventos. Nem todos os alunos checam com frequência o email e as notícias que são postadas na comunidade do Insper no Facebook podem ficar "esquecidas" na timeline;
  • A biblioteca é um ambiente bom para estudo e exerce bem a sua função, porém há falta de algum lugar para acomodar as mochilas dos usuários. Também notou-se que a plataforma de renovação de livros da biblioteca e o sistema que avisa o prazo de validade para devolver o livro poderiam ser melhores. Receber um email notificando quando expira o prazo de devolução dos livros alugados é ruim, como foi falado anteriormente, nem todos os alunos possuem a frequência de checar o email do Insper;
  • O restaurante possui um espaço bom e a comida é satisfatória. Mas há constantes reclamações sobre o preço dos alimentos e também poderia haver uma melhor canal de comunicação entre o restaurante e seus consumidores, pois todas as reclamações e sugestões que alguém queira fazer tem que falar com o gerente quando poderia haver um jeito mais simples e fácil;

Após analisarmos detalhadamente as idéias, decidimos que seguiríamos em frente com aquela que seria a mais útil para o usuário. Notamos, através de situações análogas que aconteceram com pessoas diferentes, que existe um público expressivo que realmente se prejudica com o fato de que precisam entrar no site do Insper para poder estar em dia com os futuros eventos. Por exemplo, muitos alunos que não estavam ligados na abertura das inscrições de entidades, em função da rotina intensa vivida por não terem sido notificados, acabaram se prejudicando e perdendo a oportunidade de entrar em alguma. Sabendo que isso é um problema que atinge muita gente, a ideia de criar um app que notificasse os usuários de possíveis eventos seria extremamente útil, porém, a ideia do aplicativo passa disso.

Imagine uma pessoa, que está no ultimo ano de faculdade de economia, e está se preparando psicologicamente para as entrevistas. Seria muito útil pra essa pessoa se ela fosse notificada toda vez que tivesse uma palestra, uma vaga de emprego, um congresso, ou qualquer evento que fosse sobre a área que ela está prestando.

Sabendo disso, fizemos um Brainstorm de como seria criar um app que fosse útil e intuitivo para o usuário. A seguir segue a foto do Brainstorm, e algumas idéias iniciais de como seria o aplicativo:

Fotos Brainstorm

Fotos Paper Prototype

Visão Geral do App:

Funcionamento

Janela do filtro de interesses
Configurações - Notificações
Feed de Notícias - "Saiba mais"
Configurações - "Interesses"

User Evaluation

Na segunda parte da aula fizemos a dinâmica de "user evaluation", onde pessoas que não eram nossas colegas testaram o nosso paper prototype e usarem o app. O método para tal atividade é de fazer o usuário interagir com o protótipo, sem a ajuda de nenhum dos integrantes do grupo, e anotar possíveis comportamentos e reações dos usuários, O objetivo era de verificar se a interface que nós criamos para o app seria simples, fácil e agradável de ser usado pelos usuários, e com os feedbacks deles fazermos as alterações necessárias para melhorarmos a interface do nosso aplicativo.

Para a atividade foram convidadas vários funcionários do Insper para servirem como usuários e avaliadores dos projetos, onde dois usuários iriam avaliar o nosso app, onde duas pessoas avaliariam o aplicativo de cada grupo. A primeira pessoa que nos avaliou foi Luiz, técnico do FabLab. Durante a experiência com o app, ele apresentou poucos problemas para localizar as informações necessárias para a dinâmica do app, apenas não reconheceu certos botões por causa do layout meio poluído do nosso protótipo. O feedback dele foi bem positivo, não quase nenhum defeito ou pontos negativos e só recomendou que melhorássemos o acabamento e estilo do app.

O nosso segundo usuário foi o Robson, técnico de TI aqui do Insper. Ele também não encontrou muitas dificuldades durante a sua experiência com o app, apontou muitos pontos positivos e quase nenhum ponto negativo. A recomendação dele foi de melhorarmos o nosso layout e estilo do app, e também recomendou que nós pensássemos em como nós iremos "alimentar" o feed de eventos no aplicativo. De acordo com ele, quase todas as entidades e diferentes áreas do Insper administram e divulgam diferentes eventos, então teríamos que pensar em um jeito de como centralizar todos os eventos e com isso publicar. Uma dica legal dele foi que o usuário necessita ser atraído pelo app constantemente, ou seja, fazer mudanças, melhoramentos no app de modo a sempre introduzir alguma novidade de modo que não deixe ele se "cansar" e deixar de usar o app.

Paper Prototype II - 23/09

Na aula de hoje fizemos um segundo paper protoype, agora arrumamos e melhoramos a interface de nosso app de acordo com os feedbacks dos usuários da aula passada. O objetivo de fazer isto é além de fazermos as melhorias e ajustes para melhor experiência durante o uso, também ajustar os tamanhos dos ícones e as disposições deles na tela do celular e se a interface ficaria boa com o toque da mão.

12071408_1002722169801469_873537464_n.jpg

Balsamiq - 30/09

A fase final do projeto foi de nós construirmos um mockup de nosso app no programa Balsamiq, que é uma ferramenta virtual para a construção de um protótipo virtual de um aplicativo, em que há mais recursos visuais e funcionais que possibilitaram a incrementação de nosso aplicativo, o site é este:https://codesigndeapps.mybalsamiq.com/projects/turmab-grupo4/grid. Esta etapa foi bem simples e tranquila pois já tínhamos trabalhado na funcionalidade e design do app e implementamos os feedbacks de colegas, professores e dos usuários convidados durante o "User Evaluation". Com o programa podíamos fazer várias páginas e janelas de celular, fazer uma coisas bem mais acabada que no parper prototype, colocar imagens e ícones e colorir de forma mais rápida e bonita. O editor dele é super simples de usar e talvez em meia hora a pessoa já estará manejando a ferramenta com facilidade. Abaixo segue as principais janelas do nosso aplicativo:

Feedback dos Oliners - 05/09

Hoje nós apresentamos o nosso mockup do Balsamiq para os olliners, que são alunos parceiros do Insper que vieram de Olin College em Boston e estão ajudando a estruturar e organizar o curso de Engenharia aqui. A dinâmica foi apresentar o nosso projeto a eles e falar sobre como foi o nosso processo de criação eco-design de nosso aplicativo. Foram feitas diversas perguntas sobre como nós fizemos as entrevistas, a nossa interpretação e implementação dos feedbacks de usuários no projeto e as funcionalidades gerais do mockup. O processo de co-design é de projetarmos projetos em parceria com os usuários, não só fazendo as "pesquisas de satisfação" com eles como também fazer com que participem ativamente do processo de criação do produto. No nosso projeto desde o início fomos atrás de opiniões e eventuais problemas que as pessoas possuem dentro de ambientes do Insper, onde fizemos entrevistas, propomos coisas para que usuários avaliassem se o app funciona bem e implementamos mudanças de acordo com o feedback deles.
A entrevista com os olliners foi bem simples e descontráridas, no geral eles elogiaram bastante o nosso processo de criação e gostaram de nosso aplicativo. Só alguns pontos que fizeram, como melhorar as nossas perguntas aos usuários durante o "user evaluation", pois nem sempre os usuários saberão o que eles realmente querem ou desejam na dinâmica de algum app ou produto que usem, explorar as respostas deles e fazer com que se chegue a algum desejo oculto ou comportamento que possa potencialmente melhorar o app.

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License